domingo, 24 de junho de 2012

Homossexualidade e natureza


Muito se discute a respeito de o homossexualismo ser ou não uma atitude natural. A questão é muito complexa se formos analisá-la mais detidamente e se tivermos em vista os mais variados conceitos de natureza. Façamos um pouco de esforço, não para esgotar e resolver a questão, mas para deixar claro, pelo menos, como ela é complicada, e afastar de nós essa mentalidade superficial de julgar as coisas apenas pelos chavões que a mídia e a intelectualidade militante nos propõe.
            Se natural é aquilo que o homem não produz, mas sim a natureza, a homossexualidade seria natural por ser encontrada na natureza entre os animais. Desse ponto de vista poderíamos dizer que a homossexualidade animal é natural, pois não é artificial, isto é, não é inventada pelo homem, mas surge na própria natureza. Mas transpor esse raciocínio para a sexualidade humana, como muitos fazem, não seria acertado, pois o ato homossexual de um ser humano, não possui o mesmo caráter que um ato homossexual animal, pois o ser humano, possui a razão e também é capaz de deliberar a respeito de seus atos. A partir disso poderíamos afirmar que a homossexualidade pode ser natural para os animais, sem que por isso seja também natural para os homens, isto é, é possível que a homossexualidade seja natural para os animais sem o ser para os homens. Isso ocorre também com outras atitudes animais, como por exemplo comer o filhote: pode ser natural para algumas espécies, mas para o homem não. Assim como pensar matematicamente e sentir culpa é algo natural para um ser humano sem o ser para o animal. Para o ser humano o ato homossexual seria fruto de uma deliberação, o que não ocorre para o animal.
            O contrário de natural é artificial, então aquilo que o homem produz através de sua inteligência pode ser considerado artificial. No julgamento moral da homossexualidade, para descobrir se é lícito ou não sua prática, muitos usam o argumento de que se trata de algo anti- natural. Esse argumento precisa ser esclarecido, pois é preciso saber se a pessoa está dizendo que a homossexualidade é artificial ou se a pessoa está dizendo que a homossexualidade ofende a natureza humana. Pois se o termo “anti- natural” designa apenas algo artificial, o argumento se torna inválido, pois usamos no nosso dia- a –dia inúmeros objetos artificiais, sem que isso comporte qualquer erro moral. Em suma, a homossexualidade não pode ser imoral sob o pretexto ser artificial. Mas se o argumentador postula que anti- natural não significa artificial, mas sim um pecado desnecessário e perverso contra a natureza, então sim o argumento pode se sustentar, desde que se prove que a homossexualidade ofende realmente a natureza de modo perverso e desnecessário. Pois todos são concordes em afirmar que a natureza pode ser modificada pela racionalidade do homem, desde que não ofenda certas coisas que consideramos sagradas por princípio, e é justamente isso que forma nosso patrimônio moral e nos permite não cair no malfadado relativismo.
            Entrando no campo religioso devemos lembrar que o pecado é uma invenção angélica, algo artificial, não forjado pela natureza. São muitas as perversões que homem pode fazer contra seu espírito e seu corpo, essas perversões são, ao mesmo tempo, invenções moribundas que destroem o homem e fazem com que ele se volte contra o projeto divino com o qual Deus o amou e honrou. Por exemplo: o homem pode usar sua inteligência para matar inocentes; seu corpo para obter prazeres excessivos e destrutivos como o uso de drogas, e assim por diante. Olhando para nós mesmos podemos perceber os planos de Deus para nós. Se olharmos para as nossas mãos veremos que devem servir para manipular objetos, não poderei usar elas para ouvir, mas posso sim deturpar seu uso usando elas para matar inocentes. Em nós está escrito o projeto de Deus, mas ao mesmo tempo estão abertas as possibilidades da nossa liberdade (lembrando que não somos livres para fazer o mal, ninguém é livre para roubar por exemplo, apenas é possível fazer o mal). O nosso nariz serve claramente para respirar e cheirar, mas quem duvidará que com ele também é possível cheirar cocaína?
            A moralidade está envolvida no conflito que o homem vive entre obedecer o projeto de Deus, inscrito no seu ser, na sua consciência e na revelação; e obedecer aos seus próprios impulsos e paixões.
       É espantoso ver pessoas se apoiando em atitudes animais para corroborar comportamentos humanos, trata-se de um argumento simplesmente ridículo.
           A homossexualidade ostensiva e ostentada é um ato de franco desafio ao criador e ao seu projeto. Os homossexuais, é redundante afirmar, merecem toda a ajuda dos cristãos, acolhimento e apoio, pois como seres criados por Deus para viver na eternidade, podem sim, ao contrário do que afirmam os capciosos mlitantes (que não creem em Deus e nem na liberdade humana), superar e abandonar tais pecados com a ajuda de Deus.

11 comentários:

  1. É realmente espantoso ver biólogos renomados se apoiando no argumento "da natureza", para justificar o tal comportamento.
    Tem gente que diz ainda que não é um problema moral!

    A atitude cristã é essa; acolhimento e apoio para que retornem a casa do Pai.

    Suscinto e preciso.
    ;)

    ResponderExcluir
  2. Como você explica a homossexualidade causada a partir de fatores hormonais e genéticos?

    ResponderExcluir
  3. Há muitas controvérsias a respeito disso no mundo científico, e eu não estou qualificado para falar sobre esse assunto em termos biológicos. O que tenho certeza é de que a homossexulidade não se torna natural (para o homem) por ser encontrada no mundo animal, e também não somos robôs biológicos, de modo que mesmo que haja um gene que predisponha à homossexualidade, será sempre uma escolha do indivíduo entregar-se ou não às práticas homossexuais, pois mesmo que um fator biológico influencie, ele será livre para escolher, pois poderá ter a força moral de resistir, se assim desejar. Além do mais, creio que o primeiro passo será decidir se a homossexualidade é ou não uma atitide lícita moralmente, pois se não for, contra ela deveremos lutar. Um exemplo: há cientistas que dizem que existe um gene do alcolismo, mas nem por isso as pessoas crêem que o alcolismo seja moralmente lícito. Eu me pergunto por que as pessoas querem justificar a homossexualidade argumentando que ela pode ter causas genéticas, hormonais e naturais. Mesmo que tivesse tais causas, poderia continuar sendo imoral, assim como o alcoolismo ou tendências suicidas, ou outras patologias pscicológicas, aliás vale lembrar que a homossexualidade foi retirada da lista de psicopatologias por pressão da militância gayzista nos Estados Unidos. Espero ter respondido a sua pergunta e muito obrigado pela discussão, que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  4. por que Deus permitiria a introdução de uma característica como essa (no caso, gene de propensão a homossexualidade ou níveis mais elevados de hormonios femininos) na natureza humana???

    ResponderExcluir
  5. ou hormonios masculinos, no caso de mulheres homossexuais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus permite porque o homem degenerou-se a partir do pecado original, Deus não é culpado pelo mal, Deus nunca quis o mal, mas o homem quis pecar. Cada um de nós possui sua fraqueza, cabe a nós lutar contra nossas más inclinações, o que não se pode é apoiar atitudes e acreditar que elas são corretas, apenas pelo fatos de serem inatas, pois isso é um erro lógico. Aliás os marxistas são os reis da contradição, pois quando defendemos que algo se encontra na natureza humana eles dizem que esse algo é historicamente construído para nos impugnar, e quando lhes convém, como no caso da homossexualidade, eles defendem que se trata de algo perfeitamente natural, e ainda acrescentam que nada deve ser feito para mudar o sujeito que pratica tais atos, isto é, eles absolutizam ou relativizam as questões ao sabor de sua maldita agenda para conquistar o poder. Por vezes são naturalistas, por outras culturalistas ou materialistas históricos, conforme interesses de conquista do poder. Talvez a resposta do pecado original não te contente em caso de não seres cristão, mas não creio ser possível adentrar os desígnios de Deus, mas certamente creio que o homem pode deliberar sobre o certo e o errado, e não poderá usar a fatalidade para desculpar-se daquilo que estava ao seu alcance escolher. Estou respondendo com seriedade aquilo que perguntas com seriedade, espero o mesmo comportamento daqueles que me interpelam, se teu objetivo é apenas provocar ou dar azo às tão propaladas idéias e chavões do momento, espero que não mais me fales e poupe-me a perda de tempo. Mas reforço: estou disposto a discutir com quem quer que seja (independente das idéias), contanto que impere a boa vontade e a busca da verdade. Que Deus te abençoe.

      Excluir
  6. Interessante blog católico sobre o assunto:

    conhecendoams.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Welder Ayala, gostei muito do seu blog, uma iniciativa incrível! Que Deus traga mais pessoas com sua educação e instrução. Concordo que há argumentos inválidos na defesa dos homossexuais, mas ainda assim eu os apoio em manter suas relações e continuo a buscar Verdade de Deus sobre isso (digo de antemão que não sou gay, pois hoje defender algum grupo é incontinenti ser dele, o que é, por si só, mentira), e defendo por ter me compadecido por pessoas da minha família e de alguns círculos de amizade e vejo o tamanho do sofrimento, cito um exemplo: Um colega de um clube de filosofia que participo, assumidamente gay, diz que sofre muito dentro de si por amar seu marido e ao mesmo tempo Deus, ao ponto de se recusar a ter relações sexuais; vivem apenas um lado a lado com um sonho de construir uma família feliz, ajudar aos pobres, etc... essa dualidade espiritual que ele sofre o tortura amargamente, pois, ora, o que de errado há em amar uma pessoa? O que há de tão maligno, que duas pessoas do mesmo sexo casados causam ao mundo? Será que o que determina sua entrada no paraíso é o orifício pela qual se insere seu órgão sexual? O julgamento de Deus seria tão superficial assim? Eu creio que não. Perguntaram a Jesus se o celibato era necessário, e ele lhes respondeu que se o conseguissem que o façam. Ora, quem não conseguir manter o celibato, peca? Novamente creio que não. Deus reconhece o limite de cada ser humano, suas angústias, seus medos e assim por diante, e esse homossexual cristão ama-o ao ponto de manter celibato com seu marido e, acredito, esteja chorando todos os dias de sua vida pela compaixão de Deus. Sinto do fundo do meu coração a dizer a todos os homossexuais cristãos, que vivam isso - homossexualidade - diante de Deus, e que peça a Ele que guie seus passos ao caminho certo, mas claro dentro de seus limites. Só pra relembrar, já dizia Deus: Meu fardo não é pesado. Obrigado pela atenção e novamente parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, aprecio sua busca pela verdade e espero que Deus te ilumine. Para o Catolicismo, única religião verdadeira (já que não pode haver mais que uma), não é possível apoiar de forma alguma as relações homossexuais. Nós católicos devemos ser, como disse algum teólogo que cito de memória sem muita exatidão, como dizia: nós católicos devemos ser intolerantes com as ideias porque cremos e tolerantes com as pessoas porque amamos; enquanto o mundo, os comunistas etc. são tolerantes com as ideias porque não creem e intolerantes com as pessoas porque não amam. Você demonstra, desculpe a franqueza, um certo sentimentalismo em enxergar a questão, quando na verdade não importa muito o sofrimento que passemos neste mundo, o que importa é cumprir os dez mandamentos e com a graça de Deus merecer o céu. Nesse sentido é claríssimo que a prática do homossexualismo constitui pecado grave e sempre assim foi visto pela Tradição Católica. Não podemos, sob o pretexto de sermos compassivos, empurrar as pessoas ainda mais para o abismo, devemos dizer a elas com caridade e prudência a verdade como um todo, pois Deus é justiça, mas também é misericórdia. Enfim... Não há como fugir do fato de que as práticas homossexuais constituem pecado grave. É, além disso, muito estranho que dois homens vivam um "celibato" a dois enquanto permanece entre eles algo como um amor que seria desordenado. Creio que seria melhor consultar um bom padre para resolver definitivamente essa situação. Creio que seria mais prudente e seguro uma separação completa, pois dois homens não podem formar uma família dessa forma. É preciso amar a Deus sobre todas as coisas.

      Excluir
  8. Esse caso é igual ao descrito por Jesus no caso do filantropo rico. Gostava de Deus, mas não sobre todas as coisas. Jesus o repreendeu.

    ResponderExcluir