domingo, 24 de junho de 2012

Homossexualidade e natureza


Muito se discute a respeito de o homossexualismo ser ou não uma atitude natural. A questão é muito complexa se formos analisá-la mais detidamente e se tivermos em vista os mais variados conceitos de natureza. Façamos um pouco de esforço, não para esgotar e resolver a questão, mas para deixar claro, pelo menos, como ela é complicada, e afastar de nós essa mentalidade superficial de julgar as coisas apenas pelos chavões que a mídia e a intelectualidade militante nos propõe.
            Se natural é aquilo que o homem não produz, mas sim a natureza, a homossexualidade seria natural por ser encontrada na natureza entre os animais. Desse ponto de vista poderíamos dizer que a homossexualidade animal é natural, pois não é artificial, isto é, não é inventada pelo homem, mas surge na própria natureza. Mas transpor esse raciocínio para a sexualidade humana, como muitos fazem, não seria acertado, pois o ato homossexual de um ser humano, não possui o mesmo caráter que um ato homossexual animal, pois o ser humano, possui a razão e também é capaz de deliberar a respeito de seus atos. A partir disso poderíamos afirmar que a homossexualidade pode ser natural para os animais, sem que por isso seja também natural para os homens, isto é, é possível que a homossexualidade seja natural para os animais sem o ser para os homens. Isso ocorre também com outras atitudes animais, como por exemplo comer o filhote: pode ser natural para algumas espécies, mas para o homem não. Assim como pensar matematicamente e sentir culpa é algo natural para um ser humano sem o ser para o animal. Para o ser humano o ato homossexual seria fruto de uma deliberação, o que não ocorre para o animal.
            O contrário de natural é artificial, então aquilo que o homem produz através de sua inteligência pode ser considerado artificial. No julgamento moral da homossexualidade, para descobrir se é lícito ou não sua prática, muitos usam o argumento de que se trata de algo anti- natural. Esse argumento precisa ser esclarecido, pois é preciso saber se a pessoa está dizendo que a homossexualidade é artificial ou se a pessoa está dizendo que a homossexualidade ofende a natureza humana. Pois se o termo “anti- natural” designa apenas algo artificial, o argumento se torna inválido, pois usamos no nosso dia- a –dia inúmeros objetos artificiais, sem que isso comporte qualquer erro moral. Em suma, a homossexualidade não pode ser imoral sob o pretexto ser artificial. Mas se o argumentador postula que anti- natural não significa artificial, mas sim um pecado desnecessário e perverso contra a natureza, então sim o argumento pode se sustentar, desde que se prove que a homossexualidade ofende realmente a natureza de modo perverso e desnecessário. Pois todos são concordes em afirmar que a natureza pode ser modificada pela racionalidade do homem, desde que não ofenda certas coisas que consideramos sagradas por princípio, e é justamente isso que forma nosso patrimônio moral e nos permite não cair no malfadado relativismo.
            Entrando no campo religioso devemos lembrar que o pecado é uma invenção angélica, algo artificial, não forjado pela natureza. São muitas as perversões que homem pode fazer contra seu espírito e seu corpo, essas perversões são, ao mesmo tempo, invenções moribundas que destroem o homem e fazem com que ele se volte contra o projeto divino com o qual Deus o amou e honrou. Por exemplo: o homem pode usar sua inteligência para matar inocentes; seu corpo para obter prazeres excessivos e destrutivos como o uso de drogas, e assim por diante. Olhando para nós mesmos podemos perceber os planos de Deus para nós. Se olharmos para as nossas mãos veremos que devem servir para manipular objetos, não poderei usar elas para ouvir, mas posso sim deturpar seu uso usando elas para matar inocentes. Em nós está escrito o projeto de Deus, mas ao mesmo tempo estão abertas as possibilidades da nossa liberdade (lembrando que não somos livres para fazer o mal, ninguém é livre para roubar por exemplo, apenas é possível fazer o mal). O nosso nariz serve claramente para respirar e cheirar, mas quem duvidará que com ele também é possível cheirar cocaína?
            A moralidade está envolvida no conflito que o homem vive entre obedecer o projeto de Deus, inscrito no seu ser, na sua consciência e na revelação; e obedecer aos seus próprios impulsos e paixões.
       É espantoso ver pessoas se apoiando em atitudes animais para corroborar comportamentos humanos, trata-se de um argumento simplesmente ridículo.
           A homossexualidade ostensiva e ostentada é um ato de franco desafio ao criador e ao seu projeto. Os homossexuais, é redundante afirmar, merecem toda a ajuda dos cristãos, acolhimento e apoio, pois como seres criados por Deus para viver na eternidade, podem sim, ao contrário do que afirmam os capciosos mlitantes (que não creem em Deus e nem na liberdade humana), superar e abandonar tais pecados com a ajuda de Deus.